Digite a palavra-chave

A busca é efetuada em todas as páginas do site e abrange todo o seu conteúdo.
Página principal




ARTIGOS



DEZ MANDAMENTOS PARA FRACASSAR NOS NEGÓCIOS

Os dez mandamentos para fracassar nos negócios são, segundo Donald Keough, ex-presidente da Coca-Cola:

1º) Pare de correr riscos.

`Quem tem excesso de cautela pouco realizará.´ Friedrich von Schiller.

Com o tempo, muitas organizações bem-sucedidas foram deixando de correr riscos importantes em momentos cruciais. Pagaram um preço alto. Nos anos 1980, 230 empresas sumiram da lista ´Fortune 500´, a relação das 500 maiores companhias dos EUA. Apenas 16 das 100 maiores organizações existentes no início do século XX continuam operando. A tentação de parar de correr riscos é grande. Chega a ser quase irresistível. Mas o fracasso é quase inevitável.

2º) Seja inflexível.

`Pois esta é a tragédia do homem: as circunstâncias mudam, mas ele não.´ Maquiavel.

´O homem que jamais muda de opinião é como água estagnada, e é nela que proliferam os répteis da mente.´ William Blake.

Para fracassar, seja intransigente. Mas a flexibilidade não é virtude em si mesma. A flexibilidade e a capacidade de adaptação são atributos essenciais dos líderes.

3º) Isole-se.

´É um indivíduo raro aquele que deseja ouvir o que não quer ouvir.´ Dick Cavett.

´Não considere fiéis aqueles que elogiam suas palavras e ações, e sim os que criticam gentilmente suas falhas´. Sócrates.

Uma das características de muitos empreendedores lendários é o talento incomum para conhecer funcionários de todos os níveis e relacionar-se com eles.

As boas notícias me enfraquecem. Não me tragam outra coisa além de problemas, disse Charles Kettering, o gênio da engenharia colaborador da General Motors durante seus anos de glória.

Qualquer avanço numa organização tem, por definição, de brotar do esforço em prol da solução de um problema.

4º) Acredite ser infalível.

´Gestores se preocupam em fazer as coisas direito. Líderes se preocupam em fazer a coisa certa´. Anônimo.

Caso queira fracassar, assuma a postura de líder infalível.

A falha, o fracasso ou o desastre costuma ser descrito como erro coletivo abstrato, como ´A empresa fez isso´ ou a ´A empresa não fez aquilo´. Mas as empresas são construções artificiais. Elas não fazem ou deixam de fazer alguma coisa, e sim as pessoas. O erro está nos líderes empresariais.

5º) Jogue próximo à linha do pênalti.

Quando o líder joga próximo à linha do pênalti, certamente não inspirará confiança nos clientes e funcionários e vai fracassar. A confiança era e continua a ser a base essencial de qualquer atividade.

6º) Não pare para pensar.

Qualquer administração no cumprimento de sua emissão trapeça de vez em quando. Se o líder quiser fracassar, ele evitará observar os erros e não os analisará. A maioria dos negócios não está relacionada a assuntos de tamanha gravidade, mas cada falha nos proporciona oportunidade real de reflexão para descobrir as causas de uma decisão não ter dado certo.

7º) Confie cegamente nos especialistas e nos consultores externos.

Os especialistas e os consultores já se mostraram, repetidas vezes, equivocados . Não merecem tanta credibilidade. Mas continuam rondando os corredores das empresas privadas e também dos órgãos públicos.

A Coca-Cola Company, com o auxílio de especialistas, resolveu lançar a ´New Coke´ como refrigerante de melhor sabor. Os consumidores não aceitaram a mudança, e a Company anunciou a volta da antiga como a ´Coca-Cola clássica´. As vendas não só se recuperaram, como dispararam. Vale a pena admitir um erro. O ser humano é pródigo em seu perdão.

8º) Ame a burocracia (**).

A meta de todo negócio é atender os clientes atuais com eficiência e conquistar outros novos. Todo projeto deve antes responder à pergunta básica: isso ajuda a conquistar e atender clientes? As organizações inteligentes valorizam os colaboradores, estimulam suas contribuições e encorajam seu lado criativo. Empresas burras, ao contrário, permitem às camadas de burocracia sufocar a imaginação das pessoas.

9º) Envie mensagens confusas.

´O problema com a comunicação é a ilusão de que ela ocorreu com sucesso.´ George Bernard Shaw.

O envio de mensagem confusa a funcionários e clientes é bom meio de pôr em risco sua posição competitiva e encaminhar-se para o fracasso.

10º) Tenha medo do futuro.

Há uma grande diferença entre a cautela quanto ao futuro e o medo incontrolado do futuro. Para almejar qualquer tipo de liderança nos negócios, é necessário ser um otimista racional.

Se acreditarmos na criatividade essencial dos empreendedores, qualquer hora é bom momento para começar. Quanto às precondições, basta perguntar: ´Existem pessoas aqui? Elas comem e bebem? Há algum tipo de atividade econômica em andamento? Há meios de trocarmos bens e serviços? Se assim for, este é um bom lugar e um bom momento para dar início a um negócio.´

EXTRA: 11º) Perca a paixão pelo trabalho – pela vida.

´Nada grandioso no mundo foi realizado sem paixão.´ Georg W. Friedrich Hegel.

Precisamos ser apaixonados pelo trabalho para podermos alcançar o melhor resultado possível. A maneira mais fácil de desenvolvermos paixão interior num ambiente profissional é focar, mental e emocionalmente, quatro aspectos desse mundo: os clientes, as marcas, os funcionários e, por fim, os nossos sonhos.

A esperança tem duas lindas filhas, ensina santo Agostinho há uns 600 anos. Seus nomes são raiva e coragem. Raiva porque as coisas são como são. Coragem para fazer as coisas serem como deveriam ser.

Se você deseja um mundo melhor para seus filhos e netos, creia. Uma pessoa pode fazer a diferença. E essa pessoa pode ser você.

Como confessei, os dirigentes da Coca-Cola Company, entre os quais me incluo, cometeram erros. Nunca, todavia, por muito tempo. Isso acontece com grandes organizações e com pessoas inteligentes. Elas jamais ficam atoladas no fracasso. Embora caiam, sempre encontram formas de erguer-se e seguir em frente.

´Riram de Joana d´Arc, mas ela foi em frente apesar de tudo.´ Gracie Allen

(*) ´10 mandamentos para fracassar nos negócios´. Keough, Donald R. Rio de Janeiro: Sextante, 2010.

(**) A palavra surgiu na literatura econômica francesa em meados do século XVIII, derivada de ´bureau´ (escritório) e ´cratic´ (regra).