Digite a palavra-chave

A busca é efetuada em todas as páginas do site e abrange todo o seu conteúdo.
Página principal




ARTIGOS



TEORIA DO DESENHO DE MECANISMOS

A teoria parte do princípio segundo o qual os interesses dos agentes participantes de uma negociação são diversos e é impossível saber com precisão qual o grau de disposição, envolvimento e necessidades particulares de cada um. Mas mesmo assim é possível a criação de regras capazes de permitir a concretização, o mais próximo possível, de determinado objetivo (Valor, São Paulo, 16 out. 2007, p. A11).

2. Leonard Hurwicz, Eric Maskin e Roger Myerson ganharam o Prêmio Nobel de Economia de 2007 por terem estabelecido os fundamentos da teoria do desenho de mecanismos (id.).

3. Hurwicz, 90 anos, introduziu na economia o importante conceito de ´compatibilidade de interesses´ (análise de estruturas de mercado). O seu trabalho tem aplicação na regulação de setores de atividade econômica nos quais as companhias têm enormes motivações para não revelar seus custos ou informações reservadas. Regulação mais eficaz, como a estruturação de leilões, dá às partes motivação para revelar informações reservadas ao permitir benefícios para todos (id.).

4. Myerson, 56 anos, autor do estudo ´Concepção ótima para leilões´, e Maskin, 57 anos, estudioso da aplicação da teoria na política ambiental, ampliaram os estudos iniciados por Hurwicz (id.).

5. A teoria do desenho de mecanismos permite distinguir as situações nas quais os mercados (a mão invisível de Adam Smith) funcionam bem e as situações nas quais eles não funcionam bem (id.).

6. A teoria do desenho de mecanismos examina a eficácia da alocação de recursos por diferentes instituições e se a intervenção governamental é necessária. A teoria desempenha atualmente um papel central em muitas áreas da economia e em partes da ciência política, na avaliação da Real Academia Sueca de Ciências. A clássica metáfora de Adam Smith sobre a ´mão invisível´ refere-se ao funcionamento do mercado sob condições ideais, quando garante uma alocação eficiente dos recursos. Mas, na prática, as condições normalmente não são as ideais (Gazeta Mercantil, São Paulo, 16 out. 2007, p. A-12).