Digite a palavra-chave

A busca é efetuada em todas as páginas do site e abrange todo o seu conteúdo.
Página principal




ARTIGOS



CEARÁ

Ceará significa na língua indígena “canto de jandaia”, esclarece em “Iracema”, publicado em 1865, José de Alencar, cearense, escritor.

Ceará, antigamente, Siará, não passa de Ciri-ará, afirma João Brígido, o qual esclarece: “ ‘Ciri’ (correr para trás, Dic. Montoya de Língua Guarani) quer dizer caranguejo; ‘ará’ é objetivo, significando claro, branco, alvacento, etc.” Diz João Brígido: “Na antiguidade, não se escrevia nem Ceará nem Ciará. Mas Siará. E assim se encontra essa palavra nos velhos manuscritos da capitania.”

Criada em 1535, a Capitania do Ceará foi incorporada em 1621 ao Maranhão e Grão-Pará; em 1656, anexada à Capitania de Pernambuco; em 1799, emancipada.

Iracema é a bela índia tabajara dos lábios de mel, sacerdotisa de Tupã. Ela se apaixona por Martim Soares Moreno, colonizador branco, com o qual tem um filho, Moacir, o primeiro cearense miscigenado. Iracema é o símbolo da hospitalidade cearense: ela satisfez a fome e a sede do estrangeiro com boa caça, farinha-d’água, frutos silvestres, favos de mel, vinho de caju (mocororó) e abacaxi Iracema. Romance pelo qual José de Alencar (1829 – 1977) homenageia sua terra natal, Iracema faz do Ceará o único Estado brasileiro a possuir a sua epopéia fundadora.

O comando da 10ª Região Militar, ou Região Martim Soares Moreno, mantém sua sede no forte intitulado Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, denominação adotada a partir de 1665 quando os holandeses entregaram o forte aos portugueses após a derrota sofrida em Pernambuco. Matias Beck, holandês, fundou o forte em 1648, o primeiro baluarte de defesa do litoral cearense e berço da cidade de Fortaleza.

Em 1603, Pero Coelho de Souza, açoriano, investido nas funções de capitão-mor, recebeu de Diogo Botelho, governador-geral, a permissão para explorar e colonizar a capitania do “Siará”, até então sem mando, pois Antonio Cardoso de Barros, o primeiro donatário, não assumiu a missão.

Em termos precisos, a fundação do Ceará ocorreu em 20 de janeiro de 1612 por Martim Soares Moreno, segundo Geraldo Nobre, pesquisador, vice-presidente do Instituto do Ceará. Moreno inaugurou o Forte de São Sebastião, na barra do rio Ceará. Considerado o grande conquistador do Ceará, Moreno, português, havia participado da expedição de Souza. Em 1619, Moreno recebeu o título de capitão-mor do Ceará (em 1644/45, Frans Post desenhou, sob o título “Siará”, a vista aérea do Forte de São Sebastião; Convertido em gravura, o desenho figura no livro de Barléu; o original do desenho está conservado no British Museum, em Londres).

O Ceará tem 573 km de litoral, divididos em 120 belas praias. Além das praias, as lindas serras com vegetação abundante, cachoeiras e clima frio. Na serra de Ubiapaba, localiza-se a Gruta de Ubajara, com acesso por teleférico. Recebe toda semana excursão de turistas europeus. No maciço de Baturité, desponta Guaramiranga, onde se situa o Pico Alto, com 1.114 metros de altitude, o ponto mais elevado do Estado.

O nome Ceará, antigamente Siará, vem de um processo de derivação do tupi ´Siri-Ará (siri significa andar para trás e ará, branco, claro, alvacento), segundo João Brígido. Para Capistrano de Abreu, o nome Ceará se originou da aglutinação das palavras indígenas ´dzú´ (água) e ´erá´ (verde), cuja pronúncia em português teria dado Siará ou Cyará, isto, água ou rio verde, senão mar verde. Para Antônio Bezerra, o nome Ceará originou-se de Saara (deserto africano) (Diário do Nordeste, 11 nov. 2007, Regional, p. 2).

***

RIOS DE FORTALEZA – Fortaleza, tomada com referência a ponta do Mucuripe, é banhada pelo Oceano Atlântico, ao Norte e ao Leste, e é cercada por três rios: Ceará (sentido Sul-Oeste), Maranguapinho (Sul) e Cocó (sentido Sul-Leste).

O rio Ceará nasce da junção dos riachos Jandaíra e Bom Princípio, na serra de Maranguape. O rio Ceará recebe as águas do rio Maranguapinho na aldeia Tapeba, dos índios Tapebas, situada em Bom Princípio, Caucaia. Após percorrer cerca de 60 km de extensão e cortar Maranguape, Caucaia e Fortaleza, o rio Ceará desaguá na Barra do Ceará (Norte/Oeste de Fortaleza).

Principal afluente do rio Ceará, o rio Maranguapinho nasce de riachos formados na serra de Maranguape. O riacho Pirapora é o principal. O rio Maranguapinho percorre 34 km de extensão e atravessa os seguintes bairros: Antônio Bezerra, Quintino Cunha, Autran Nunes, Genibaú, Bom Jardim, Granja Portugal, Canindezinho, João XXIII e Parque Santa Rosa.

O rio Cocó nasce de riachos formados na serra de Aratanha. O riacho Pacatuba é o principal. O rio Cocó percorre quase 50 km de extensão (20 km em Fortaleza) e deságua no Caça e Pesca (Sul/Leste de Fortaleza).

A área de mangue dos rios Ceará e Cocó apresenta uma fauna muito especial: caranguejo, galinha d’agua, maçarico, garça, pixoleta, cará, siri e outros. O Parque Ecológico do Cocó situa-se na área de mangue do rio Cocó.

APA DA SERRA DE BATURITÉ – Criada pelo Decreto Estadual nº 20.956, de 18 set. 1990, alterado pelo nº 27.290, de 15 dez. 2003, localizada na região serrana do Maciço de Baturité e envolvendo 32.690 hectares, é a primeira e a mais extensa Área de Proteção Ambiental (APA) instituída pelo Estado do Ceará. Possui características climáticas únicas e abriga uma cobertura vegetal complexa, refúgio ecológico para uma fauna e flora diversificada. Faz parte do Complexo Florestal da Mata Atlântica. A sua bacia hidrográfica é de importância indiscutível tanto para a região como para o abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza. O ponto mais alto do Maciço de Baturité é o Pico Alto, com 1.115 metros de altitude (Informativo SEMACE, Fortaleza: SEMACE, n. 25, jul./ago. 2006).

GEOPARQUE DO ARARIPE - O projeto do ´Geopark Nacional da Bacia do Araripe´, localizado no Sul do Ceará, numa área aproximada de 5.000 km2, foi aprovado e receberá selo a ser concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultural (Unesco). ´Geopark´ é uma área de proteção especial a riquezas geológicas e paleontológicas, com reconhecimento internacional. Montados a partir de 2001, hoje existem 34 ´geoparks´ no mundo, sendo 13 na China e 21 na Europa. Instalado em parte da Bacia Sedimentar do Araripe, região de grande interesse para a humanidade pela riqueza de vestígios da vida há milhões de anos (de 70 a 120 milhões de anos), o ´Geopark Nacional da Bacia do Araripe´ é o primeiro do continente americano e do Hemisfério Sul. Parte da história evolutiva de nosso planeta se revela nos fósseis da Bacia do Araripe, um dos mais importantes depósitos fossilíferos do mundo, ressalta André Herzog, reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA). Os fósseis da Formação Santana (continua ele) exibem uma rica fauna e flora desses antigos ambientes, com elementos aquáticos e terrestres, excepcionalmente bem preservados. Esses elementos vivos da formação da vida na Terra estão preservados com integridade graças ao processo de fossilização ali ocorrido. O Museu de Paleontologia de Santana do Cariri (570 km de Fortaleza) tem acervo de cerca de 7.000 fósseis, avaliado em US$ 20 milhões (Diário do Nordeste, Fortaleza, 22 set. 2006, caderno Regional, p. 1; Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 set. 2006, p. A15; e Gazeta Mercantil, São Paulo, 28 set. 2006, p. B-14).

PARQUE NACIONAL DE JERICOACOARA - A Câmara dos Deputados recebeu Projeto de Lei (PL) encaminhado pelo Poder Executivo, recepcionado sob o nº 5821/2005, em 29 ago. 2005, alterando os limites originais do Parque Nacional de Jericoacoara, situado nos Municípios de Jijoca de Jericoacoara e Cruz, no Estado do Ceará.

O Parque Nacional de Jericoacoara, com 8.416 hectares, criado por Decreto de 04 fev. 2002, tem por objetivos “proteger e preservar amostras dos ecossistemas costeiros, assegurar a preservação de seus recursos naturais, possibilitando a realização de pesquisa científica e o desenvolvimento de atividades de educação ambiental e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico”.

O PL prevê a inclusão no Parque Nacional de Jericoacoara de algumas dunas fixas e tabuleiros, cobertas por vegetação nativa em excelente estado de conservação, bem como o manguezal do rio Guriu, área preservada de mangue, importante para a reprodução e manutenção das populações de diversos produtos da pesca na região e local de ocorrência de uma expressiva população de cavalos-marinhos.

O PL prevê ainda a inclusão de faixa de mar para permitir um maior controle do litoral de Jericoacoara, com a proteção de parcela significativa da biodiversidade local e o controle de atividades de pesca artesanal, esportivas e turísticas.

O Parque Nacional de Jericoacoara (Parna Jeri), situado nos municípios de Jijoca de Jericoacoara e Cruz, no Ceará, criado pelo Decreto s/nº, de 04 fev. 2002, teve sua área ampliada em mais 400 hectares e perfaz agora 8.850 hectares de proteção legal, de acordo com a Lei nº 11.486, de 15 jun. 2007. Também por meio desse diploma legal foi extinta a ´Área de Proteção Ambiental de Jericoacoara´, criada pelo Decreto nº 90.379, de 29 out. 1984, a fim de permitir o saneamento da Vila de Jericoacoara, problema ambiental e de saúde pública (Diário do Nordeste, Fortaleza, 22 jun. 2007, Regional, p. 4).

O Brasil é o 3º país em exportação de amêndoas de caju (70 mil toneladas). A Índia vem em 1º lugar (250 mil toneladas) e o Vietnã (100 mil toneladas), em 2º lugar. Sem nenhuma produção, o Vietnã iniciou, há dez anos, uma crescente floresta de cajueiro-anão importada do Brasil, assinala Egídio Serpa (Diário do Nordeste, Fortaleza, 16 jun. 2007, Negócios, p. 2). No Brasil, o Ceará tem área plantada de 386.767 hectares, correspondente a 52,7% da área plantada brasileira. A amêndoa do caju é, isoladamente, o primeiro produto da pauta de exportações (US$ 59,6 milhões, de jan. a abr. 2007). A cajucultura responde por 17,4% das exportações cearenses (Diário do Nordeste, Fortaleza, 16 jun. 2007, Regional, p. 2).

A Câmara Municipal estuda a definição da data de aniversário de Fortaleza. Existem duas opções: 1ª) data da elevação de Fortaleza à categoria de vila, em 1726, atualmente em vigor; e 2ª) data da primeira edificação colonial na barra do Ceará, por Martins Soares Moreno, em 1604, em 1604 (Diário do Nordeste, Fortaleza, 04 ago. 2007, p. 11).

***

Fortaleza, com 2.505.552 habitantes, é o 2º município mais populoso do Nordeste e o 5º do Brasil, segundo estimativa do IBGE para 2009. Na liderança nacional, vem a capital paulista (11,0 milhões), seguida do Rio de Janeiro (6,2); Salvador (2,9); Brasília (2,6); Fortaleza (2,5); e Belo Horizonte (2,4). O Brasil tem 191,5 milhões de habitantes espalhados pelas 27 unidades da Federação e 5.565 municípios. Fortaleza concentra 29,3% da população do Ceará, num total de 8.547.809 habitantes, distribuídos em 184 municípios (Diário do Nordeste, Fortaleza, 15 ago. 2009, p. 8).