Digite a palavra-chave

A busca é efetuada em todas as páginas do site e abrange todo o seu conteúdo.
Página principal




ARTIGOS



BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO (BOVESPA)

“Fundada em 23 de agosto de 1890, a Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA) tem uma longa história de serviços prestados ao mercado de capitais e à economia brasileira” (Disponível: < http://www.bovespa.com.br/>. Acesso: 01 out. 2005).

2. Até meados da década de 60, a BOVESPA e as demais bolsas brasileiras eram entidades oficiais corporativas, vinculadas às Secretarias de Finanças dos governos estaduais, e compostas por corretores nomeados pelo poder público.

3. Com as reformas do sistema financeiro nacional e do mercado de capitais implementadas em 1965/66, as bolsas assumiram a característica institucional mantida até hoje. Transformaram-se em associações, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial. A antiga figura individual do corretor de fundos públicos foi substituída pela da sociedade corretora, empresa constituída sob a forma de sociedade por ações nominativas ou em sociedade limitada.

4. A BOVESPA é uma entidade auto-reguladora e opera sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

5. Em 1972, a BOVESPA foi a primeira bolsa brasileira a implantar o pregão automatizado com a disseminação de informações ‘on-line’ e em ‘real time’, através de ampla rede de terminais de computador. No final da década de 70, a BOVESPA foi também pioneira na introdução de operações com opções sobre ações no Brasil.

6. Nos anos 80, implantou o Sistema Privado de Operações por Telefone (SPOT). Na mesma época, a BOVESPA desenvolveu um sistema de custódia fungível de títulos e implantou uma rede de serviços ‘on-line’ para as corretoras.

7. Em 1990, a BOVESPA, ao lado do pregão viva-voz, implantou o pregão por sistema eletrônico, o “Computer Assisted Trading Sistem (CATS), substituído em 1997 por sistema mais avançado, o Mega Bolsa, em uso até hoje. O pregão viva-voz foi encerrado em 30 set. 2005 (o sistema eletrônico correspondeu a 99,64% do número de negócios em 2004).

8. Em 1999, a BOVESPA promoveu o lançamento do ‘home broker’ e do ‘after-market’, ambos meios para facilitar e tornar viável a desejada participação do pequeno e médio investidor no mercado.

9. O ‘home broker’ permite ao investidor transmitir, por meio do ‘site’ das corretoras na internet, sua ordem de compra ou de venda diretamente ao Sistema de Negociação da BOVESPA. Nesse sentido, o sistema da BOVESPA é único no mundo. Nos Estados Unidos, as ordens são executadas, em sua maioria, fora do âmbito das bolsas de valores e, portanto, nem sempre ao melhor preço. O ´home broker´ respondeu por 4,1% do volume de negócios em 2004.

10. O ‘after-market’, outra inovação da BOVESPA, pioneira em termos mundiais, oferece a sessão noturna de negociação eletrônica. Além de atender os profissionais do mercado, esse mecanismo também é interessante para os pequenos e médios investidores, pois permite o envio de ordens por meio da internet até às 22 horas.

11. A BOVESPA, por meio de acordos de integração com as demais bolsas (do Rio de Janeiro, de Minas-Espírito Santo-Brasília, do Extremo Sul, de Santos, da Bahia-Sergipe-Alagoas, de Pernambuco e Paraíba, do Paraná e a Bolsa Regional), concentrou toda a negociação de ações. O mercado de valores mobiliários está integrado, em âmbito nacional, com a participação de sociedades corretoras de todas as regiões.

12. A Bolsa do Rio de Janeiro passou a ser responsável pelas transações de títulos públicos. As outras bolsas regionais mantêm as atividades de desenvolvimento do mercado e de prestação de serviços à praça local.

13. Além de gerar o crescimento do mercado acionário como um todo, a integração foi fundamental para o Brasilter um centro único de liquidez e uma representatividade importante dentro do mercado global. A integração permitiu ainda importantes ganhos de produtividade, por meio de um único sistema de negociação, de telefonia, de liquidação e custódia.

14. Como participante do processo de integração, a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) incorporou a CLC e passou a responder por toda a atividade de compensação, liquidação e custódia no mercado de valores mobiliários.

15. A BOVESPA encerrou 2001 com 428 empresas listadas (eram 550 em 1996). Perdeu 49 empresas em 2001 e 50 empresas em 2000.

16. O mercado de ações deverá atingir US$ 12,3 bilhões em volume de emissões em 2006, ante US$ 6,8 em 2005, US$ 3 em 2004 e US$ 0,9 em 2003 (Exame, São Paulo: Abril, n. 881, 22 nov. 2006, p. 104).

17. Os EUA têm cerca de 13.000 empresas em bolsa; a Índia, cerca de 6.000 empresas.

18. O valor de mercado das empresas da BOVESPA atingiu R$ 904,9 bilhões, em dez. 2004. As empresas integrantes do IBOVESPA e do IBrX responderam por 70,9% e 81,3%, respectivamente, desse valor de mercado.

19. São mercados da BOVESPA: 1) mercado à vista; 2) mercado de opções: Opção Ibovespa; Opção Ibovespa Mini; Opção IBrX 50; Opção em IGP-M; Opção Dólar; Opção CDI; 3) mercado futuro de ações; 4) mercado a termo: termo flexível; termo em pontos; termo em dólar.

20. No mercado de opções, os investidores negociam direitos de compra ou venda de um lote de ações, com preços e prazos de exercício preestabelecidos. Por esses direitos, o titular de uma opção paga um prêmio.

21. Uma operação a termo é a compra ou a venda de determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado, a contar da data da operação em pregão.

22. Uma operação no mercado futuro compreende a compra ou a venda de ações listadas em Bolsa, a um preço acordado entre as partes, para liquidação em uma data futura específica, previamente autorizada.

23. Criado em 02 jan. 1968, o Índice Bovespa (Ibovespa), o mais importante indicador do desempenho do mercado de ações brasileiro, retrata o comportamento das principais ações negociadas na BOVESPA. Ele é formado a partir de uma aplicação imaginária, em reais, numa quantidade teórica de ações (carteira). Sua finalidade básica é servir como indicador médio do comportamento do mercado. As ações integrantes do índice representam mais de 80% do número de negócios e do volume financeiro transacionados no mercado à vista.

24. O IBrX - Índice Brasil é um índice de preços destinado a medir o retorno de uma carteira composta por 100 ações selecionadas dentre as mais negociadas na BOVESPA, em termos de número de negócios e volume financeiro. Mais recentemente foi criado o IBrX-50, cuja carteira é composta por 50 ações.

25. O ´Bovespa Mais´ é um segmento do mercado de balcão organizado (Instrução CVM nº 243), administrado pela Bovespa, destinado a empresas em busca de recursos do mercado de capitais para concretizar seus projetos de crescimento. O propósito é acolher companhias com estratégia de gradual acesso ao mercado de capitais. O segmento propõe-se a viabilizar a exposição das companhias no mercado de capitais e apoiar sua evolução em termos de transparência, de ampliação da base de acionistas e de liquidez. Podem ingressar no segmento companhias abertas com registro na CVM, de qualquer setor e tamanho.

26. A Bovespa iniciou, em 09 fev. 2007, as operações do produto ´Proteção do investimento com participação (POP)´, destinado a proporcionar proteção contra eventuais perdas (desvalorização) do investimento em ações em troca de uma participação nos potenciais ganhos desse investimento. A proteção é obtida por meio da combinação da aplicação em ações com a aplicação em seus derivativos. O investidor pode definir o nível de proteção desejado ao escolher uma das séries de POP (a lista das séries autorizadas do POP está disponível no site da Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia – CBLC).

27. A Bovespa vem batendo recordes em todos os seus índices (volume de negócios, participação de acionistas e abertura de capital de empresas). Tais resultados são fruto de circunstâncias econômicas internacionais e nacionais, de uma mudança cultural no meio empresarial e do surgimento de investidores individuais mais conscientes. Mas a sociedade brasileira enfrenta problemas estruturais capazes de comprometer, a longo prazo, as conquistas do mercado acionário, avalia Raymundo Magliano Filho, presidente da Bovespa (Folha de S. Paulo, São Paulo, 03 jun. 2007, p. A3).

28. Os estrangeiros absorveram 73,5% (R$ 15,2 bilhões) das compras de novas ações, no período de jan. a maio 2007, no valor total de R$ 20,7 bilhões. Essas aquisições correspondem a 78% a mais das efetuadas no mesmo período em 2006 (Folha de S. Paulo, São Paulo, 08 jun. 2007, p. B11).

29. Níveis de governança - A BOVESPA estabelece regras societárias para as companhias abertas. São regras mais rígidas em relação à legislação societária. Para as empresas já listadas, existem dois níveis de governança: “Companhia Nível 1” e “Companhia Nível 2”. Para possibilitar o desenvolvimento do mercado de capitais, a BOVESPA criou, em dezembro de 2000, o “Novo Mercado”.

30. Para enquadramento no nível 1, as empresas se comprometem com melhorias na prestação de informações ao mercado e com a dispersão acionária.

31. Para enquadramento no nível 2, as empresas, além das obrigações contidas no nível 1, devem adotar um conjunto mais amplo de práticas de governança e de direitos adicionais para os acionistas minoritários. As empresas devem aderir à Câmara de Arbitragem do Mercado para a resolução de conflitos societários. No caso de venda do controle, as empresas devem estender para todos os acionistas detentores de ações ordinárias as mesmas condições obtidas pelos controladores (“tag along”); para os detentores de ações preferenciais, no mínimo 70% dessas condições.

32. Para enquadramento no Novo Mercado, as empresas devem ampliar os direitos dos acionistas, melhorar a qualidade das informações prestadas e oferecer aos investidores a segurança de uma alternativa ágil e especializada na resolução de conflitos, ou seja, o encaminhamento a uma Câmara de Arbitragem. No Novo Mercado, as empresas, dentre outras regras, são proibidas de realizar a emissão de ações preferenciais; devem realizar ofertas públicas de colocação de ações para favorecer a dispersão do capital; devem manter em circulação uma parcela mínima de ações, observado o limite mínimo de 25%; estender para todos os acionistas as mesmas condições obtidas pelos controladores para a venda do controle da companhia (“tag along”).

33. A segurança oferecida aos direitos dos acionistas e a qualidade das informações prestadas pelas empresas influenciam a valorização de suas ações.

34. Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) - A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA) lançará, em 01 dez. 2005, o ISE, destinado a indicar as empresas com as melhores práticas de gestão de sustentabilidade empresarial, bem como servir de instrumento de mercado para incentivar a disseminação dessas práticas.

35. As empresas com foco na excelência na gestão de sustentabilidade objetivam a perenidade ao administrar aspectos ambientais, sociais e de governança corporativa, sem deixar de criar valor para os acionistas.

36. O ISE avaliará as empresas em cinco dimensões: 1) econômico-financeira; 2) social; 3) ambiental; 4) governança corporativa (propriedade, conselho de administração, gestão, auditoria e fiscalização, conduta e conflito de interesses); 5) indicadores gerais e de natureza do produto.

37. Para a análise das dimensões econômico-financeira, social e ambiental, foram criados quatro conjuntos de critérios: 1) políticas (indicadores de comprometimento); 2) gestão (planos, programas, metas e monitoramento); 3) desempenho (indicadores de performance); e 4) cumprimento legal (postura frente à legislação de concorrência, do consumidor, ambiental).

38. O ISE englobará até 40 empresas, a serem escolhidas dentre as 125 empresas cujas ações apresentam maior liquidez na bolsa.

39. Nos EUA, a Bolsa de Valores de Nova Iorque lançou em 1999 o “Dow Jones Sustainability Index (DJSI)” (Valor, São Paulo, 18 ago. 2005, p. D2).

40. Ranking - A bolsa brasileira é a mais barata no rol de dezesseis países emergentes, segundo estudo da Standard & Poor’s (S&P). O preço/lucro (P/L) da BOVESPA, em maio 2005, é de 8,53 (pelo preço dos papéis negociados, o investidor levaria 8 anos e meio para recuperar a aplicação). O P/L da Tailândia é 9,54; Rússia, 11,26; Turquia, 11,78; México, 12,13; Taiwan, 12,61; África do Sul, 13,91; Coréia, 14,63; Malásia, 16,17; Chile, 16,67; Indonésia, 17,44; Índia, 18,23; China, 18,93; Israel, 23,06; Argentina, 31,54; Arábia Saudita, 75,69. Em 18 jul. 2005, o valor de mercado das ações listadas na BOVESPA somava R$ 863 bilhões (ou US$ 370 bilhões). O recorde foi em fev. 2005 quando o valor atingiu R$ 975 bilhões (ou US$ 376 bilhões). Em 07 mar. 2005, o IBOVESPA alcançou 29.584 pontos, o maior nível histórico. O saldo de aplicações estrangeiras chegou a R$ 3,7 bilhões em fev. 2005, mas em 14 jul. 2005 estava em R$ 1,3 bilhão (Valor, São Paulo, 20 jul. 2005, p. D1).

41. “ Market maker” - O formador de mercado (“market maker”) é um agente contratado por companhias abertas para dar liquidez aos seus papéis no mercado (um mínimo de ofertas diárias de compra e venda das ações). O agente evita a valorização (preço caro) das ações, em relação às concorrentes, para quem quer comprar, ou a desvalorização para quem quer vender. Em set. 2005, a TAM, Grandene e o BNDES adotaram o “market maker”. A Grandene contratou a Bradesco Corretora (Valor, São Paulo, 06 out. 2005, p. D1).

42. Desempenho - O Ibovespa, formado pelas 57 ações mais negociadas, principal índice da BOVESPA, subiu 27,71% em 2005 e, mais uma vez, pelo terceiro ano consecutivo, liderou a rentabilidade dos investimentos. O ingresso de recursos externos beneficiou a BOVESPA, cujo último pregão do ano fechou a 33.455 pontos e bateu seu recorde.

43. O desempenho das bolsas no mundo em 2005: Colômbia, 118,90; Moscou, 85,30; Turquia, 56,60; Coréia do Sul, 52,90; Mumbai (India), 42,90; Nikkei (Tórquio), 42,26; México, 36,40; Varsóvia, 34,90; Frankfurt, 28,30; Paris, 24,70; Londres, 17,12; Buenos Aires, 12,21; Hong Kong, 6,20; Nasdaq, 1,96; Dow Jones, 0,02 (Folha de S. Paulo, São Paulo, 30 dez. 2005, p. B30).

44. A BOVESPA inaugurou em 27 mar. 2006 sua Unidade Regional do Ceará, localizada na sede da antiga Bolsa de Valores Regional, dissolvida por decisão das 15 corretoras detentoras dos 23 títulos patrimoniais. O principal foco da Unidade Regional do Ceará é divulgar o funcionamento da BOVESPA para atrair novos investidores, explica Paulo Aldrighi, diretor regional (O Povo, Fortaleza, 27 mar. 2006, Economia, p. 19).

45. A BOVESPA realizou 15,5 milhões de negócios em 2005, no valor de R$ 401,0 bilhões, contra R$ 304,1 em 2004 e R$ 294,6 em 2003. O valor de R$ 401,0 bilhões teve a seguinte distribuição entre os investidores: R$ 131,6, estrangeiros; R$ 110,3, institucionais; R$ 101,9, pessoas físicas; R$ 46,9, instituições financeiras; R$ 9,2, empresas (Folha de S. Paulo, São Paulo, 31 mar. 2006, p. B2).

46. Os investidores estrangeiros mantêm a liderança na movimentação financeira da BOVESPA, com base em jun. 2006. Os investidores estrangeiros foram responsáveis por 37,60% do volume financeiro total, no valor de R$ 47,1 bilhões, seguidos dos investidores institucionais (25,96%); das pessoas físicas (22,88%); das instituições financeiras (9,06%); ds empresas (3,08%); e outros (1,43%) (Gazeta Mercantil, São Paulo, 06 jul. 2006, p. B-2).

47. A Bovespa negocia ações de 381 empresas, com base em 2005 (577 em 1995), quando o número de negócios atingiu 15,5 milhões em transações (2,1 milhões de transações).

48. O valor das empresas com ações negociadas na Bovespa (capitalização bursátil) soma R$ 1,1 trilhão em 2005 (R$ 225,5 milhões em 1996), equivalente a 58,2% do Produto Interno Bruto (PIB), calculado em R$ 1,9 trilhão (28,9% em 1996).

49. Em 2005, o ´home broker´ representou 15,16% do número de negócios da Bovespa (5,92% em 2000) ou 5,07% do volume financeiro diário (0,60% em 2000).

50. Ao final de 2005, a Bovespa registrava 1.323 clubes de investimento, com 112.306 participantes e patrimônio líquido de R$ 6,9 bilhões.

51. Em abr. de 2001, a Bovespa lançou o sistema ´Bovespa Fix`, destinado à negociação de títulos de renda fixa (debêntures, FIDCs e CRIs). Em 2006, a média diária de negócios no ´Bovespa Fix` soma R$ 5,29 milhões (R$ 243 mil em 2001) (Folha de S. Paulo, São Paulo, 16 out. 2006, p. B5).

52. As ações de empresas brasileiras com boa governança, integrantes do Novo Mercado, estão com preços muitos próximos daqueles das empresas dos países do G-7. As ações não estão mais tão baratas. O risco de comprar um ativo no pico dele não é pequeno. O investidor precisa ter cautela, alerta Luiz Fernando Figueiredo, ex-diretor do BCB, principal sócio da gestora de fundos Mauá Investimentos (Isto é Dinheiro. São Paulo: Três, n. 485, 10 jan. 2007, p. 16).

53. O valor de mercado das companhias abertas listadas na Bovespa (R$ 1,54 trilhão) já corresponde a 75% do PIB, com base em 2005 (55% em 2004, 46%, em 2003 e 27% em 2002) (Valor, São Paulo, 11 jan. 2006, p. B3).

54. A relação valor de mercado das empresas listadas em bolsa em relação ao PIB, também com base em 2005, é de 34% na Argentina; 118% no Chile; 35% na China; 136% nos EUA; 70% na Índia; 31% no México; 139% no Reino Unido; e 72% na Rússia (id.).

55. A Bovespa tem 394 empresas listadas, assim distribuídas por mercado: 300 no mercado tradicional; 44 no Novo Mercado; 14 no Nível 2; e 36 no Nível (id.).

56. Bovespa Holding S.A. - A Bovespa Holding S.A., companhia aberta, é, conforme Assembléia Geral Extraordinária de 28 ago. 2007, controladora integral da: I) Bolsa de Valores de São Paulo S.A. (BVSP); e II) Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC).

57. Conforme Assembléia Geral Extraordinária de 28 ago. 2007, a BVSP, dentre outras atividades, tem por objeto social: I – manter sistemas adequados à realização de negócios de compras e vendas, leilões e operações especiais envolvendo valores mobiliários, títulos, direitos e ativos, no mercado de bolsa de valores e no mercado de balcão organizado, especialmente fiscalizado e organizado pela própria BVSP; II – dotar, permanentemente, os referidos sistemas de todas as facilidades necessárias à pronta e eficiente realização e visibilidade dessas operações; III – estabelecer modalidades de negociação e mecanismos regulamentares e operacionais que propiciem continuidade de preços e liquidez ao mercado de valores mobiliários e que possibilitem o atendimento, pelos participantes dos seus sistemas de negociação, das ordens de compra e venda de investidores.

58. Conforme Assembléia Geral Extraordinária de 28 ago. 2007, a CBLC, dentre outras atividades, tem por objeto social: I – compensar, liquidar e controlar o risco das obrigações decorrentes de operações à vista e de liquidação futura com qualquer espécie de valores mobiliários, títulos, direitos e ativos realizadas na BVSP, em outras bolsas ou outros mercados; II – assumir a posição de contraparte central e garantidora da liquidação definitiva de operações, nos termos da legislação vigente e do seu próprio Regulamento de Operações; III – receber e administrar garantias para operações em que assuma ou não a posição de contraparte central garantidora; IV – prestar, para a BVSP a para outras instituições, serviços de custódia fungível e infungível de valores mobiliários, títulos, direitos e outros ativos físicos e financeiros, em geral; V – prestar serviços de empréstimos de valores mobiliários, títulos, direitos e outros ativos; VI – exercer funções de agente fiduciário e de emissor de certificados; VII – emitir certificados que representem, provisoriamente, valores mobiliários, títulos e ativos sob sua custódia; VIII – prestar outros serviços de interesse do mercado em geral; e IX – praticar as demais operações necessárias à boa circulação, liquidação e custódia dos valores mobiliários, títulos, direitos e demais ativos físicos e/ou financeiros, podendo, também, tomar e conceder empréstimo em espécie, em valores mobiliários, títulos, direitos e outros ativos financeiros, bem como prestar garantias.

59. A Bovespa Holding S.A. anunciou a sua primeira oferta pública de ações no mercado (Valor, São Paulo, 05 out. 2007, p. A4).

60. A oferta pública das ações da Bovespa Holding S.A., administradora da Bovespa, levantou R$ 6,6 bilhões. A estréia das ações no pregão de 26 out. 2007 movimentou R$ 5,1 bilhões e concluiu com alta de 52,13%. O Ibovespa fechou com alta de 3,1% e alcançou o recorde de 64.275 pontos, o 40º do ano. A cotação das ações da Bovespa Holding S.A. confere-lhe valor de mercado estimado em R$ 24,7 bilhões e garante-lhe posição entre as 15 maiores empresas listadas na Bovespa. As ações da Bovespa Holding S.A. atraíram a atenção dos investidores pelas perspectivas de expansão de seus negócios, diante do crescimento da economia e do aumento do interesse estrangeiro pelo Brasil, além da perspectiva de o País obter o ´grau de investimento´. Há também a possibilidade de a Bovespa tornar-se alvo de aquisições internacionais (Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 out. 2007, p. B1).

61. Criado em dez. de 2005, o Bovespa Mais, mercado de acesso para companhias e emissões de menor porte, irá finalmente estrear com lançamento da Nutriplant (Valor, São Paulo, 05 nov. 2007, p. B2).

62. 2007 - A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA) acusou valorização acumulada de 43,65% em 2007 (medida pela variação do Ibovespa), a 2ª maior valorização entre os índices das principais bolsas do mundo, superada apenas pelo resultado de Xangai, China (96,14%). A valorização de 43,65% em 2007 do Ibovespa, formado pela média das 63 ações mais negociadas, dá ao mercado acionário a liderança no retorno de aplicações pelo 5º ano consecutivo. O Ibovespa em 2007 começou em 44.473 pontos e terminou em 63.886 pontos; a pontuação recorde foi registrada em 06 dez., quando atingiu 65.790 pontos (Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 dez. 2007, p. B6).

63. Mas sem a Petrobras e a Vale, a alta do Ibovespa cai de 44% para 23,8% (as ONs da Petrobras subiram 95,75% e as PNs, 79,71%, enquanto as ONs da Vale se valorizaram 89,82% e as PNs, 91,40%). Com as duas empresas, o índice é um e, sem elas, ele é outro completamente diferente, alerta Alexandre Espírito Santo, sócio da Plenus Gestão de Recursos. Excluindo as ações da Petrobras e da Vale, o Ibovespa teria desvalorização após a crise imobiliária dos EUA : o índice teria caído 5,20% a partir de 19 jul. 2007 (Valor, São Paulo, 28 dez. 2007, p. D1).

64. Os principais mercados acionários exibiram a seguinte variação nos seus índices em 2007: Xangai A (China), 96,14%; Ibovespa (Brasil), 43,65%; Hang Seng (Hong Kong), 37,09%; DAX (Alemanha), 22,29%; Micex Index (Rússia), 12,36%; IPC (México), 12,30%; MKT Select (Chile), 11,97%; Nasdaq (EUA), 10,73%; Ibex (Espanha), 7,32%; Dow Jones (EUA), 7,24%; FTSE 100 (Inglaterra), 4,12%; Merval (Argentina), 2,93%; CAC (França), 1,54; Milan Index (Itália), -6,46%; Nikkei (Japão), -11,13% (Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 dez. 2007, p. B6).

65. A Bovespa atingiu em 2007 média diária de R$ 4,98 bilhões em negócios, 101% sobre 2006 (o volume financeiro dos negócios somou R$ 1,2 trilhão em 2007, distribuído em 37,5 milhões de transações, 74% acima de 2006). A média diária de negócios limitava-se a R$ 1 bilhão em 1996 (Gazeta Mercantil, São Paulo, 02 jan. 2008, p. A1).

66. O valor de mercado das ações das 448 companhias listadas na Bovespa somou R$ 2,42 trilhões, equivalente a 91% do PIB brasileiro (Gazeta Mercantil, São Paulo, 02 jan. 2008, p. A1).

67. O principal índice da Bovespa, o Ibovespa, completou 40 anos em 02 jan. 2008 (Gazeta Mercantil, São Paulo, 02 jan. 2008, p. A1).

68. As 32 empresas brasileiras listadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque movimentaram US$ 556 bilhões em 2007, crescimento de 120,2% sobre 2006. Na Bovespa, essas empresas movimentaram US$ 529 bilhões em 2007, 128% acima de 2006. Apenas 8 (Vale, Petrobras, Unibanco, Bradesco, Itaú, CSN, Gerdau e AmBev) das 32 empresas respondem por 84% do total de transações realizadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque. As mesmas 8 ações correspondem a 44,1% do total negociado pela Bovespa (Folha de S. Paulo, São Paulo, 06 jan. 2008, p. B6).

69. O total de ofertas públicas de ações em 2007, incluindo os 64 lançamentos (IPOs), somou R$ 65,5 bilhões. Os estrangeiros participaram com 75,4% dos investimentos (Folha de S. Paulo, São Paulo, 06 jan. 2008, p. B6).

70. Os investidores estrangeiros responderam por 34,5% dos negócios da Bovespa em 2007, enquanto a participação dos investidores institucionais foi de 29,7%; de pessoas físicas, 23,0%; de instituições financeiras, 10,4%; de empresas, 2,2%; e outros investidores, 0,22% (Gazeta Mercantil, São Paulo, 07 jan. 2008, p. B3).

71. A Bovespa registrou a criação de 683 clubes de investimento em 2007 (Gazeta Mercantil, São Paulo, 07 jan. 2008, p. B3).

72. O ´home broker´ da Bovespa fechou 2007 com um total de 456.557 pessoas registradas (219.634 em 2006), distribuídas por 57 corretoras. Mesmo assim, a participação das pessoas físicas caiu de 24,6% em 2006 para 23% em 2007 (Valor, São Paulo, 07 jan. 2008, p. D1).

73. Em 2007, a Bovespa foi a 4ª colocada entre as bolsas do mundo em lançamentos iniciais de ações (IPOs). No total, foram realizados US$ 30,13 bilhões em IPOs, equivalente a 9,76% do volume global. A liderança nos lançamentos foi da Bolsa de Londres, seguida da Nasdaq e da Bolsa de Hong Kong (Valor, São Paulo, 08 jan. 2008, p. C8).

74. O Bovespa Fix (ambiente de negociação de papéis de renda fixa, como debêntures, certificados de recebíveis imobiliários – CRI e fundos de investimento em direitos creditórios - FIDC) e o Soma Fix (também ambiente de negociação de papéis de renda fixa, mas no balcão) negociaram R$ 931,3 milhões em 2007, enquanto o volume com ações alcançou R$ 1,2 trilhão. A Bovespa, seguindo a estratégia das grandes bolsas do mundo, pretende reforçar sua atuação no mercado de renda fixa por meio da recém-criada Diretoria de Negociação de Renda Fixa (Valor, São Paulo, 14 jan. 2008, p. D2).

75. ´BM&F Bovespa S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros´, ex-Nova Bolsa S.A., é a sociedade empresária incorporadora da Bovespa Holding S.A. e da Bolsa de Mercadorias & Futuros - BM&F S.A., de acordo com deliberação da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 08 maio 2008. A integração da Bovespa e da BM&F formou a 3ª maior bolsa do mundo e a 2ª das Américas em valor de mercado, responsável por 80% do volume negociado no mercado de ações da América Latina e mais de US$ 67 bilhões em negócios diários no mercado futuro. O modelo de negócios dispõe de quatro ´clearings´: ações, derivativos, ativos e câmbio. O elenco de produtos abrange operações com ações, derivativos, commodities, balcão e operações estruturadas. Oferece modelo híbrido de negociação com pregões viva-voz, eletrônico e via internet (´homebroker´/´webtrading´) (Valor, São Paulo, 09 maio 2008, p. A12).

76. A BM&FBovespa S.A. anunciou a celebração protocolo de intenções com a NASDAQ OMX Group. Inc. para o desenvolvimento de tecnologia e de acordos comerciais para negócios (Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 out. 2009, p. B1).

77. O Ibovespa subiu 82,7% em 2009. Chegou ao mínimo de 36.234 pontos (02 mar. 2009) e ao máximo de 69.349 pontos (14 dez. 2009). Ao final de 2009, estava nos 68.588 pontos. Para o investidor estrangeiro, responsável por dois terços dos negócios na BM&FBovespa, o investimento na bolsa brasileira, além do ganho de 82,7% em moeda local, rendeu 142,7%, considerada a variação de 33,9% do real em relação ao dólar. Com aumento de 142,7% em dólar, a Bovespa ofereceu aos investidores a maior valorização do mundo. A bolsa do Peru vem em 2º lugar com 116% de valorização. A alta da Rússia foi de 113,2%; da Índia, 87,2%; da China, 79,2% (Folha de S. Paulo, São Paulo, 31 dez. 2009, p. B1).

78. A Bovespa deve, finalmente, recuperar em 2010 o recorde de 73.516 pontos de maio de 2008. Há certo consenso de mercado. Os mais otimistas vêem o índice alcançar 80 mil pontos, 17% acima de 68.588. Com a queda ocorrida em 2008 (-41,22%), a chance de valorização em 2009 era bastante alta (id.).

79. O excepcional desempenho do mercado financeiro brasileiro é atribuído pelos analistas a uma conjunção de fatores positivos: saída mais rápida da recessão; mercado interno vigoroso; recuperação no preços das ´commodities´; e perspectiva de expansão de 5% a 6% em 2010, além da depreciação internacional do dólar dos EUA (id.).